Dona Lais Pearson- a lady se foi

Perfil de D. Lais Pearson,que faleceu hoje....

Uma mistura de Jornalista Têxtil, Coordenadora de Moda,Marketing e Divulgação de Moda e principalmente uma mestra,responsável pela implantação de vários Cursos de Moda no Brasil,todo o mundo fashion conhece a elegância e firmeza de Da. Laís Pearson.
Reconhecida internacionalmente,colaboradora de vários veículos de moda no Brasil e  no exterior,acaba de realizar outra grande performance:desfilou no último SPFW as criações de Ronaldo Fraga,que reconheceu em Da. Laís,características de estilo e projeção de imagem de moda,que enriqueceram seu desfile.
Apoiadora do Mapa da Moda,desde a sua primeira edição há 10 anos atrás,com uma visão  invejável,é conselheira por mérito deste editor.À Da Laís,abrimos espaço para o primeiro perfil de Profissional da Moda no site Modinnet,esperando que ele seja útil como espelho,para todos que iniciam no setor.


Diaulas  Novaes – o editor

Minha Trajetória na Moda - por Laís Pearson


Obtive meu primeiro trabalho na área de Moda por mero acaso.
Frustrada com a vida desprovida de glamour de uma dona de casa com filhos ja criados, e impossibilitada por varias razões de assumir minha carreira como bailarina clássica, ansiava por encontrar uma atividade  que preenchesse o vazio de uma existência domestica.
Em janeiro de 1968 descobri um imponente anuncio em inglês no Estadão, para o cargo de “Fashion Coordinator” da Lurex International que iniciava atividades no Brasil em parceria com a Jameson Ltda. A descricão  do cargo se encaixava  como uma luva às minhas ambições profissionais: viajar para o exterior, visitar industrias têxteis, assistir desfiles de moda, entrevistar  couturiers famosos, comunicar-se com a imprensa internacional. Pretensiosa… Porem, diz o ditado que pretensão e água benta cada um toma quanto quer….
Respondi ao anuncio e consegui o emprego, tornando-me a primeira Coordenadora de Moda, oficializada com este titulo, no Brasil.
Como ninguém soubesse exatamente quais eram minhas atribuições, tive como tutores dois experts em marketing e merchandising importados de Londres pela empresa para me instruir.
Alem disso, incumbiram-me de traduzir os boletins técnicos  sobre a utilização dos fios metálicos Lurex em tecelagem e malharia, tarifa que me proporcionou conhecimentos básicos imprescindíveis para um bom desempenho profissional no universo da Moda. Tive uma professora admirável  na pessoa de Maria José Michelson, vice-presidente da empresa que, reconhecendo minhas deficiências profissionais, com carinho e sagacidade me orientou , conduzindo-me a interpretar o papel que o cargo de Coordenadora de Moda requeria.
Da Lurex parti para a Mafisa S. A. escritório de representação  que comercializava as fibras têxteis  produzidas pelas industrias japonesas Mitsui e Mitsubishi, e mais tarde a fibra acrílica TRIANA fabricada pela Fisiba, Fibras Sintéticas da Bahia S. A.
Regida por Arthur Goldlust, marqueteiro astuto com extraordinária viveza de inteligência, a Mafisa S. A.  foi a escola onde aprendi as manhas da promoção de vendas da matéria prima têxtil, acompanhando seu percurso da produtora à fiação, à tecelagem, à malharias circular e retilínea, à confecção e ao varejo.
Como gerente do departamento de promoção de vendas, minhas responsabilidades incluíam a montagem de estandes em feiras têxteis, a criação de coleções de moda confeccionadas com os materiais produzidos por nossos clientes diretos e indiretos à produção de desfiles, recepções e comunicação com a imprensa.
Nesta época colaborei com a implantação  da Fisiba, empresa para a qual passei a trabalhar diretamente como Gerente de Merchandising e de Marketing. As obrigações da gerencia comercial incluíam programar as quantidades das diferentes versões da fibra acrílica  TRIANA de acordo com os requisitos técnicos dos clientes. Trabalho árido, difícil, requerendo gráficos “homéricos” para adequar a produção da Fisiba às necessidades dos compradores. Não agüentei a pressão por muito tempo. A multinacional Celanese do Brasil Fibras Químicas Ltda, fabricante da poliamida Centrel  e do poliéster Fortrel foi meu próximo ancoradouro profissional. Todo sistema de comunicação da empresa ficavam a meu encargo institucional (campanhas publicitárias, participação em feiras têxteis, e Salões de Moda, eventos especiais, etc.), Orientação  de Moda (pecas “Perfil  de Moda” e “Presentations” editadas semestralmente  para apresentar as tendências), jornal “Fios e Fibras” com noticias frescas do mercado. Durante os sete anos que permaneci na Celanese fiz estágios na matriz de Nova York e nas filiais do México e Colômbia, somando aos conhecimentos  que adquiri durante meu percurso profissional até então, à experiência dos colegas competentes daqueles países. Colaborei com a editora Espaço de Moda como diretora de Moda durante 13 anos, responsabilizando-me pelas matérias didáticas  de orientação de Moda das revistas Guia Oficial da Moda Brasileira, Jeans & Sportswear e da peça especial sobre os eventos de Moda da Europa, o “Dossier Exclusivo”, onde reportava todas as atividades  e tendências dos salões têxteis e de vestuário, os desfiles de prêt-a-porter de Paris, Londres, Milão, Florença, Munique. Presidi o Centro Brasileiro da Moda (criado por Augusto Fernandes de Azevedo) durante vários anos, colaborando com a realização  de inúmeros eventos que marcaram época, como os desfiles da rua Augusta, da Praça Roosevelt , da Avenida São Luiz, da raia olímpica da Cidade Universitária, da “pelouse” do Jockey Club de São Paulo, realizados na década dos 70.
Fui editora de Moda da Revista profissional Moda Livre e de Stampa Moda, publicação de banca, ambas editadas pelo jovem gaúcho Josemir Gheler Alves.
Em 1985 lancei o caderno didático de orientação de Moda “TRENDS”, o primeiro “bureau de style” nacional dirigido à tecelagem, malharia, confecção e varejo, que dissecava, passo a passo, as tendências para cada temporada.
Minha experiência no setor Editorial de Moda foi muito enriquecida quando passei a ser correspondente do grupo britânico ITBD Publications de Londres, Inglaterra para o qual enviava matéria em inglês sobre todos os eventos realizados no Brasil. Orgulho-me em dizer que as reportagens de minha autoria publicadas nas revistas International Textiles e Interior abriram os olhos da mídia internacional para a Moda e Decoracao “made in Brazil”.Minha inesquecível amiga Maria Helena Castilho apresentou matérias assinadas por mim em publicações das varias editoras onde atuou, inclusive na sua World Fashion.


“Lelem, a saudade esta sempre presente”…

Tenho colaborado, também, com a Editora Brasil Têxtil de Maria José de Carvalho, escrevendo principalmente para a revista INTERIOR sobre eventos de decoração.
Uma das atividades que mais prazer me proporcionou na minha vida profissional foi a pesquisa e implantação do curso de Moda da Universidade Anhembi Morumbi (onde permaneci durante sete anos), da Universidade Paulista do Objetivo – UNIP (assessorando o processo de implantação durante 14 meses), e colaborando ativamente na elaboração dos currículos de ensino dos cursos de graduação da Universidade do Estado de Santa Catarina e da Universidade Federal do Ceará.
O projeto de Moda da Universidade Aberta do Nordeste, promovido pelo jornal “O Povo” de Fortaleza, Ceará realizado  em dupla com a amiga Wania Cysne Dummar é outro marco em minha trajetória profissional que muito me envaidece, pelo sucesso extraordinário que obteve. A mim coube definir o currículo do curso, arregimentar os profissionais que participaram do programa escrevendo artigos e redigir as provas escritas às quais se submeteram os 10.000 inscritos para obter seu diploma. O projeto “Color de América”, realizado em colaboração com o governo de Cuba, para unificação da Moda Latino Americana e Caribenha visando a criação sistematizada  de coleções para exportação foi também muito gratificante. Fui incumbida pelos participantes que incluíam profissionais respeitados da Colômbia, Peru, México, Venezuela, Cuba e outros países latino americanos, a criar a Temática  de Moda que serviu de base a primeira coleção. Infelizmente, por razões políticas, o projeto não foi levado adiante.
O livro “Moda Ilustrada de A a Z” elaborado em parceria com Regina Maria Castellani, que mereceu uma apresentação elogiosa do emérito professor Tupã Gomes Correia, foi um trabalho árduo de pesquisa dos verbetes que durou uma década propondo informação da terminologia de Moda, muitas vezes enigmática . Mais do que um dicionário, o livro é uma referência técnica, histórica e geográfica sobre o abrangente  universo composto pela Moda.
Atualmente atuo como correspondente de revistas impressas e eletrônicas de vários países, mostrando ao mundo as realizacões  brasileiras no campo da Moda.



Compartilhar


Fotos